Júri condena envolvidos na chacina em mais de 200 anos

Advertisement
Advertisement

O júri popular formado por quatro homens e três mulheres, condenou, na tarde desta sexta-feira, 22, dois policiais militares (PM) e um guarda civil de Barueri (GCM) pela morte de 17 pessoas e ferir outras sete em 13 de agosto de 2015, no que ficou conhecida como a maior chacina do Estado.

O soldado da Rota, tropa de elite da PM, Fabrício Eleutério, foi condenado a 255 anos, 7 meses e 10 dias de prisão; o PM Thiago Henklain a 247 anos, 7 meses e 10 dias; o GCM Sérgio Manhanhã a 100 anos e 10 meses.

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), os assassinatos ocorreram para vingar as mortes do policial militar Admilson Pereira de Oliveira, que foi baleado ao reagir a um assalto a um posto de gasolina, onde fazia “bico” como segurança, e do guarda civil de Barueri Jeferson Luiz Rodrigues da Silva, que foi morto enquanto atuava como segurança em uma adega.

Veja também  Portal do Trabalhador reabre, no centro de Osasco

Eles responderam por organização criminosa e homicídio qualificado.

O quarto indiciado é Victor Cristilder sendo o único a recorrer da sentença que determinou o julgamento, portanto não foi a júri nesta segunda-feira. No entanto, segundo Oliveira, a determinação de levá-lo a júri já foi confirmada pela juíza.

Avaliação média: 4.4
Total de Votos: 17

Júri condena envolvidos na chacina em mais de 200 anos
Advertisement